Osterkamp

É mais difícil ser um atleta amador, do que um profissional!

A busca de um hobby é uma jornada de auto descobrimento fantástica, repleta de questionamentos e dúvidas sobre o que eu como indivíduo gostaria de fazer com meu tempo livre. Muitas vezes as pessoas buscam atividades de lazer mentais, escrever, pintar, ou até jogos em suas diversas interações. Atualmente existe um número cada vez maior da população que gosta e busca preencher a sua rotina atribulada dividida entre família, trabalho e responsabilidades, com uma atividade física intensa.

Em meus mais de 15 anos de profissão, já vi as mais diversas atividades, como corrida (incluindo, mas não apenas maratonistas), escalada, levantamento de peso olímpico, tênis, futebol, até mesmo motovelocidade, motocross, entre outras. Analisando dessa maneira, cada um desses atletas amadores seria completamente diferente não? Porém todos tem uma característica marcante em comum, eles são amadores.

Essa palavra, amador, parece ser um xingamento, mas pelo contrário, é apenas um descritor dos enormes obstáculos que essas pessoas praticamente impressionantes tiveram que superar para tornar seus hobbies em rotinas de prazer com uma frequência saudável, pois um amador possui um trajeto muito mais complexo do que muitos profissionais nas mesmas categorias.

Para um profissional, o esporte ou atividade não é um hobby, é seu trabalho e isso muda completamente a atitude e estrutura que eles possuem em comparação aos amadores. Enquanto um profissional vai olhar para sua atividade como sua renda, e a sua rotina é feita para adequar essa atividade, um amador normalmente tem outro trabalho, uma profissão que já preenche sua rotina como, e além disso tenta colocar junto o seu amado hobby. O profissional tem acompanhamento de diversos prestadores de serviço que irão lhe ajudar a manter sua profissão ativa por muito tempo, médicos, preparadores físicos, fisioterapeutas, massoterapeutas, todos com uma mesma visão, e quando por algum motivo é necessário um intervalo na atividade para uma recuperação, o atleta profissional compreende e faz o necessário pois deseja se resguardar para manter o nível de sua capacidade.

Atleta jogando basquete

O amador vem pelo prazer e muitas vezes pelo amor ao esporte. Começam a atividade como uma descoberta, vão aprendendo, aumentando sua capacidade, por instinto e com pouco acompanhamento ou até mesmo nenhum, descobrindo o que funciona ou não sozinhos. Jogando altas horas da noite, lesionados em dias de chuva, frio ou sol intenso, pois eles realmente amam o que fazem. O amador ama tanto que coloca o amor acima da própria saúde, essa é a principal diferença do profissional.

Várias pessoas entraram em meu consultório perto de uma crise de choro por estarem com alguma lesão que iria impossibilitar alguma prova, algum evento ou um simples dia de jogo. É verdadeiramente recompensador ver alguém tão apaixonado por algo dessa maneira, mas não precisa ser assim.

Qualquer pessoa que irá iniciar uma atividade diferente do seu costume, precisa de um acompanhamento e instrução para garantir que a mesma possa ser exercida por muito tempo. O hobby tem que ser uma longa relação de amor que vá lhe completar por muitos anos, e não apenas uma paixão intensa que após uma lesão grave nunca mais lhe deixa usufruí-la. E é aí que muitos profissionais, inclusive o fisioterapeuta entra, tornando a alegria de viver ativo em algo que dure por toda a vida.

Assinatura William Osterkamp Reabilitando Limites

Deixe um comentário.

Sobre Nós

O corpo humano não se acostuma em ficar parado. Independentemente de sua limitação, nosso corpo é feito para se movimentar. Tornar isso possível é o trabalho da Osterkamp.

Instagram
The access_token provided is invalid.
Siga-nos