Osterkamp

Tratamento da Causa

Em um domingo recebi uma ligação de um paciente de urgência com crises de dor na lombar. Eu já sabia que vinha algo mais complicado do que apenas uma dor de final de semana. É interessante pensar que a dor é um evento multifatorial, e quando queremos ter um resultado definitivo, devemos ter um olhar mais amplo. Após analisá-lo, realizei diversas técnicas que reduziram a dor, e conseguiram devolvê-lo ao trabalho. Porém estávamos com dificuldade de lhe dar alta da fisioterapia, pois embora não apresentasse mais crises agudas como a que teve no início, a dor sempre voltava depois de sua rotina de trabalho. Afinal, era um artista que trabalhava com pedras, um mosaicista. Foi quando resolvi visitá-lo em seu local de trabalho. Após analisar toda a estrutura da empresa, foi possível entender e reduzir os gatilhos de suas dores, e de seus funcionários. Indiquei que mudassem a maneira de carregar o material artístico, o mármore. Um carrinho com rodas ajudou a reduzir um esforço que era herculeano na hora de carregar as pedras para os mosaicos, além de melhorar a passagem em uma porta que tornava difícil seu acesso com peso nas mãos. E por último estudar a postura que realizavam seu trabalho artístico. Embora não fosse minha intenção ensinar a ele como fazer seu trabalho, conseguimos juntos elaborar posições diferentes para que pudesse desenvolver sua arte. Desta maneira, diminuindo as eventuais sobrecargas, e garantindo que nunca mais tivesse uma crise como a que o trouxe ao meu consultório. Essa é uma visão que une a avaliação do quadro crítico junto a tentativa de compreender o que levou a situação até esse ponto. Do micro ao macro.

Você sofre do mesmo?

Conte pra gente sua história.